Acesse e Curta a Fan Page

CURTA A FAN PAGE O PANTERA TRICOLOR NO FACEBOOK

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Super Raio-X Série D 2010

por Daniel Soares

17h40

Link da fonte: http://www.interney.net/blogs/deprimeira/2010/05/10/super_raio_x_serie_d_2010/

O De Primeira apresenta o melhor guia da Série D do Campeonato Brasileiro que você vai achar na blogosfera mundial.

Uma semana após a final da Copa do Mundo, marcada para o dia 11 de julho em Johannesburgo, iniciar-se-á a segunda edição da Série D do Campeonato Brasileiro. Ano passado, o São Raimundo de Santarém-PA sagrou-se o grande campeão em final emocionante contra o Macaé Sports (RJ) disputada no Colosso do Tapajós. Chapecoense (SC) e Alecrim (RN) também garantiram o passaporte para a Série C, que significa garantia de atividade no segundo semestre. Esta garantia é fundamental na hora de planejar o ano do clube. Para a maioria, o ano termina em abril, no máximo maio, a não ser em caso de classificação para a Série D.

Divisões inferiores do futebol me fascinam. Como diz o João Moreira Salles, o torcedor de time pequeno é um cara de fibra moral. Nessas divisões se encontra o verdadeiro amor incondicional. Não há o apelo fácil das vitórias, nem o marketing dos astros, nem a eletricidade das multidões nos grandes estádios, muito menos o glamour da tv. São campeonatos de contrastes. Inferno para uns, honra para outros, redenção para alguns. São os estádios desertos dos pequenos clubes dos grandes centros e os pequenos estádios cheios dos grandes do interior. A linha tênue entre a humilhação e a ressurreição dos grandes que se desgraçaram. Além de tudo, é a única Série do Campeonato Brasileiro onde todas as 27 unidades da federação estão representadas. Na Série A são apenas nove. Só três deles fora do Sul/Sudeste. Nenhum da região Norte.

A Série D é disputada desde de 2009 com 40 clubes. Até 2008 existiam apenas três séries. As duas primeiras, disputadas por 20 clubes cada uma e em turno e returno. A Série C era disputada por 64 clubes. Os quatro rebaixados da Série B no ano anterior e mais 60 clubes classificados por competições estaduais (os campeonatos estaduais e copas criadas pelas federações). Neste esquema, estados como São Paulo e o Rio de Janeiro, líderes do ranking da CBF, chegavam a ter até quatro vagas cada um. Poucos eram os estados com apenas uma vaga na competição.

Em 2008 a CBF anunciou que criaria a Série D a partir do ano seguinte. Os 20 primeiros colocados na Série C daquele ano garantiram vaga para a competição no ano seguinte. A Série D teria apenas 40 clubes. Assim, são quatro clubes a menos disputando o Brasileiro abaixo da Série B, e menos vagas em disputa pelos estaduais. Os critérios para participação na Série D 2010 são os seguintes:

- Quatro clubes rebaixados na Série C 2009
- Dois representantes de cada um dos nove estados¹ melhores colocados no ranking da CBF
- Um representante dos demais 18 estados¹

Como a maioria das federações criou uma copa estadual para garantir a atividade dos pequenos clubes no segundo semestre, cada federação pode distribuir uma vaga (no máximo) para uma competição que não seja o seu campeonato estadual. Em quase todos os 18 estados¹ que possuem apenas uma vaga, esta é atribuída ao campeão estadual. As exceções são o Piauí, o Mato Grosso do Sul e o Mato Grosso, que classificam os campeões de suas copas estaduais.

O regulamento é o mesmo do ano passado. Na Primeira Fase os 40 clubes são divididos em 10 quadrangulares, avançando à fase seguinte os dois primeiros colocados de cada grupo. A partir da Segunda Fase, inicia-se o mata-mata em jogos de ida e volta, com gol qualificado fora de casa. Permanece a incrível terceira fase em mata-mata com 10 clubes, com classificação para as quartas-de-final dos cinco vencedores e três melhores perdedores. Os quatro semifinalistas ascendem à Série C em 2011.

A motivação deste texto é que, com a conclusão da maioria dos estaduais, 36 dos 40 clubes que disputarão a Série D este ano já estão definidos. A lista é provisória. Como é padrão nas séries subalternas do Brasileiro, é comum que alguns clubes desistam da disputa por falta de condições financeiras. Em 2009 um exemplo foi o tradicional Bangu A.C., do Rio de Janeiro.

Vamos à longa lista:

Rebaixados da Série C 2010:

- Sampaio Correa (São Luís-MA): O tradicional Tricolor de São Pantaleão é o maior de todos os campeões maranhenses, com 28 conquistas. Entretanto não conquista o estadual há sete anos, desde o bicampeonato de 2002/2003. Foi vice-campeão em 2008 e 2009. Em 2010 ocupa por enquanto o 5º lugar na tabela da Copa União, insuficiente para garantir classificação às finais. O Estadual será no segundo semestre. O clube, cuja maior glória nacional é o título da Série C de 1997, faz sua estréia na Série D. Depois do título nacional, o Time do Povo permaneceu na Série B de 1998 a 2002, quando foi rebaixado. Devido a boas campanhas estaduais, mesmo sem o título, entre 2003 e 2009 o Sampaio só ficou de fora da Série C em 2005 e 2006. Em 2008 o 17º lugar garantiu a participação na competição em 2009. Mas no ano seguinte a mesma posição o rebaixou para a Série D.

- Mixto (Cuiabá-MT): O Alvinegro da Getúlio Vargas é o maior de todos os campeões mato-grossenses, com 24 conquistas, a última em 2008. Em 2010 o clube contratou o técnico Roberto Cavalo e os experientes jogadores Adriano Gabiru e Perdigão. Ficou apenas em 5º lugar entre as sete equipes do grupo B e de fora das quartas-de-final. Perdigão e Gabiru foram dispensados. No cenário nacional, o Mixto participou de diversos Campeonatos Brasileiros na fase pré-1987 (quando o campeonato era disputado por cerca de 40 a 50 clubes, chegando a 94 em 1979) e sua melhor posição foi o 15º lugar em 1985. Depois de cambalear nos anos 1990, o Mixto definhou até o cúmulo de se licenciar do Campeonato Mato-Grossense de 2002 e 2003. Depois de voltar, em 2004, o clube se reestruturou aos poucos até o título de 2008, que lhe deu vaga na Série C. No segundo semestre, garantiu participação na competição para o ano seguinte. A última colocação em seu grupo o rebaixou em 2009.

- Confiança (Aracaju-SE): O Dragão do Bairro Industrial possui 17 títulos sergipanos. Os últimos no bicampeonato 2008/2009. Em 2010, acaba de perder o tricampeonato na final para o River Plate (sobre o qual falaremos mais adiante). O clube dos proletários (como são conhecidos seus torcedores) nunca teve grande destaque nacional. Participou da Série B pela última vez em 1992. Entretanto, as boas campanhas estaduais o fizeram um participante constante da Série C. Entre 1994 e 2009 ficou de fora apenas nos anos de 1999, 2000 e 2005. Em 2008 o clube chegou na fase final. Se não chegou perto de subir pra Série B, o 7º lugar (a melhor posição em sua história na competição) lhe valeu a permanência na C para 2009, quando veio o rebaixamento.

- Marcílio Dias (Itajaí-SC): O Rubro-Anil das Avenidas (fundado em 1919) tem apenas um título catarinense no currículo, no distante 1963. Chegou ao cenário nacional com a conquista da Copa Santa Catarina de 2007, que lhe valeu vaga na Série C de 2008. A boa campanha lhe valeu a vaga de 2009. O ano passado foi marcado por dois rebaixamentos: no Catarinense e na Série C. O início de 2010 foi de inatividade no clube, pois a disputa da segundona catarinense (Divisão Especial) acontecerá apenas no segundo semestre, paralela à Série D nacional.

Classificados pelos Estados¹ (pela ordem de classificação no ranking):

São Paulo:

- Botafogo (Ribeirão Preto): O Botinha nunca conquistou títulos de primeira divisão, mas já foi vice paulista (2001), da Série C (1996) e da Série B (1998). Este último lhe valeu suas últimas participações na Série A do Brasileiro entre 1999 e 2002. Em 2010, conquistou o Campeonato Paulista do Interior. Na classificação geral, foi o 7º colocado, melhor entre os clubes sem vaga garantida nas Séries A, B ou C, o que lhe valeu a vaga para estrear na Série D, voltando a uma competição nacional depois de chegar a ter disputado a Série A3 do Campeonato Paulista em 2006.

- Oeste (Itápolis): O Rubrão do Oeste possui títulos em todas as quatro divisões subalternas do Campeonato Paulista, mas apesar de seus 89 anos, só estreou entre os grandes em 2004, quando foi rebaixado. De volta desde o ano passado, em 2010 a equipe ficou em 9º lugar, segundo melhor entre os clubes sem vaga garantida nas Séries A, B ou C, e se classificou pela primeira vez para uma competição nacional.

Rio de Janeiro:

- América (Rio de Janeiro): O tradicional clube rubro do bairro da Tijuca (zona norte do Rio de Janeiro, nas cercanias do Maracanã, mas que tem seu estádio localizado no município de Mesquita, na Baixada Fluminense, a cerca de 40km da capital) volta a uma competição nacional depois de três anos em que quase teve o fim de seu time profissional decretado. Sete vezes campeão carioca (a última em 1960) o Mequinha volta e meia figurou nas decisões entre os grandes mesmo durante seu longo jejum de títulos. Em 1986 chegou às semifinais do Brasileiro e terminou na 3ª colocação. No ano seguinte, ficou de fora do módulo principal da Copa União realizada pelo Clube dos Treze e recusou-se a participar do módulo inferior. Um acordo lhe deu uma vaga na Série A de 1988, quando teve péssima campanha e foi rebaixado. Desde então participou poucas vezes da Série B (a última via convite, no segundo módulo da Copa João Havelange, em 2000). A reestruturação promovida em 2006, com a contratação do técnico Jorginho (atual auxiliar de Dunga na Seleção) pareceu mostrar que o clube voltava a trilhar o caminho dos grandes. Depois de uma ótima campanha, chegou à final da Taça Guanabara, perdida de virada para o Botafogo. Mesmo sem títulos, o América fazia boas campanhas e disputou três das quatro semifinais de turno dos Cariocas de 2006 e 2007, o que lhe valeu vagas nas Série C de 2006 e 2007 e nas Copas do Brasil de 2007 e 2008. Em 2007 fez boa campanha no Brasileiro e chegou à terceira fase, ficando entre os 16 primeiros. Em 2008, porém, tudo desmoronou e o clube foi rebaixado para a segundona carioca pela primeira vez em seus 104 anos de história. Então houve uma nova reestruturação, com a chegada do ex-craque Romário, que assumiu o departamento de futebol, atraiu patrocinadores e parceiros. O América fez excelente campanha na Série B carioca de 2009 (televisionada pela tv a cabo) e foi campeão, com direito ao Baixinho em campo no jogo do título. Na volta à Série A estadual, o começo, sob o comando do técnico Bebeto, foi claudicante. Depois da troca de comando o clube obteve uma série de bons resultados, que se não o classificou para nenhuma das semifinais de turno, garantiu a 5ª colocação geral, a melhor entre os clubes sem vagas nas Série A, B ou C, representando vaga na Série D.

- Madureira (Rio de Janeiro): o tricolor suburbano vem nos últimos anos se afirmando como o melhor estruturado entre os tradicionais clubes de subúrbio do Rio de Janeiro. Enquanto seus co-irmãos naufragam e dívidas e estádios carcomidos, o Madura tem um estádio pequenino, mas muito bem cuidado, salários em dia e estrutura para treinar. Os recursos são garantidos pelos alugueis de diversas lojas no Mercadão de Madureira, enorme centro comercial popular no bairro que lhe dá o nome, construído em terreno de sua propriedade. Isto se reflete em seguidas boas campanhas no estadual (destaque para o título da Taça Rio e o vice-campeonato Carioca de 2006) e consequentes classificações consecutivas para as Séries C (até 2008) e D. No entanto, o clube nunca conseguiu brilhar nos torneios nacionais. Em 2009 foi eliminado na primeira fase da Série D. Para 2010 a vaga foi garantida através do vice-campeonato da Copa Rio 2009 (o campeão se classifica para a Copa do Brasil). No Estadual 2010, o Madureira ficou em 9º lugar.

Rio Grande do Sul:

- São José (Porto Alegre): Em 96 anos de história, o simpático Zequinha esteve na maior parte do tempo no convívio com os grandes do estado, mas nunca conseguiu passar do 4º lugar. A forte concorrência com a dupla Gre-Nal e com os times de Caxias do Sul impediram maiores voos do clube de Passos d’Areia. No entanto, 2010 já é sua segunda participação na Série D (em 2009 foi eliminado na segunda fase), com a vaga obtida através da 4ª colocação no Campeonato Gaúcho, a melhor dentre os clubes sem vagas nas demais séries.

- Pelotas (Pelotas): O Lobão foi o primeiro campeão gaúcho em 1911 (título reconhecido apenas recentemente pela FGF), tendo conquistado o título uma segunda vez em 1930. Rebaixado apenas duas vezes em sua longa história (a última em 1983), o clube tem feito boas campanhas recentemente. Campeão da Copa FGF em 2008, participou da Série D em 2009, quando foi eliminado na Primeira Fase. Este ano foi o sexto colocado no Gauchão, e herdou a vaga na Série D após a desistência do Veranópolis, 5º colocado.

Minas Gerais:

- Democrata (Governador Valadares): O Pantera do Mamudão fez boas campanhas no Campeonato Mineiro entre os anos 1970 e 1990 (foi vice-campeão em 1991 e chegou a disputar a Série B nacional). No fim da década, entrou em decadência e chegou a disputar a segunda divisão mineira entre 2002 e 2005. Em 2007 fez boa campanha no estadual e participou da Série C. Em 2010, fez boa campanha novamente no Mineiro, chegando às semifinais contra o Atlético. 4º colocado, foi o melhor entre os clubes sem vaga nas demais três séries e volta a competições nacionais após três anos.

- Tupi (Juiz de Fora): Nos últimos anos o Galo Carijó tem se afirmado como uma das forças do interior mineiro, demonstrando que o futebol de sua cidade não é apenas celeiro de torcedores para os clubes cariocas (a cidade é muito mais próxima do Rio de Janeiro do que de sua capital, Belo Horizonte). Depois do vice campeonato do Módulo II (segundona mineira) o Tupi participou de competições nacionais em todos os anos desde 2007. Em 2009 chegou às quartas-de-final da Série D e apenas por conta do critério de gols fora de casa ficou sem a vaga na Série C. Em 2010 se classificou como o 5º colocado do Campeonato Mineiro, segundo melhor dentre os clubes sem vaga nas demais três séries.

Paraná:

- Iraty (Irati): Envolvido em parcerias entre seu presidente Sérgio Malucelli, o técnico Vanderlei Luxemburgo e o empresário Juan Figger, o Azulão fez boas campanhas no início da última década, com destaque para o título paranaense de 2002 (quando o estadual não teve a participação dos principais clubes do estado, que disputaram naquele ano a Copa Sul-Minas). Participou consecutivamente da Série C entre 2001 e 2005, com destaque para a 5ª colocação em 2004. Terceiro colocado no Campeonato Paranaense de 2010, o melhor entre os clubes sem vaga nas demais séries, retorna a uma competição nacional.

- Operário (Ponta Grossa): Clube tradicional da Região dos Campos Gerais do Paraná, o Operário Ferroviário ainda conta com uma apaixonada torcida depois de 15 anos fora da primeira divisão estadual. No Paranaense 2010, ano do retorno à elite local, o clube teve uma média de público de quase 4 mil torcedores por jogo, inferior apenas às da dupla Atle-Tiba. A paixão foi correspondida em campo. 5º colocado, o Operário foi o segundo melhor dentre os clubes sem vaga nas demais Séries, e assim volta a disputar o Brasileiro 20 anos após a 4ª colocação na Série B de 1990, que quase o levou a disputar a Série A.

Pernambuco:

- Santa Cruz (Recife): O Santinha é um dos dois gigantes que disputarão a Série D em 2010. 24 vezes campeão pernambucano (a última em 2005), por diversas vezes na Série A, proprietário do estádio do Arruda, com capacidade para 60 mil pessoas (maior do Nordeste). A torcida cobra-coral já foi considerada a maior de Recife (o que lhe vale o apelido de O Mais Querido). Embora pesquisas recentes apontem que a torcida do rival Sport já é maior, o Santa ainda é o mais popular nas classes populares e contou com média de público superior a 30 mil pagantes por jogo na Série D 2009. É inacreditável que o Santa Cruz estivesse na Série A há apenas quatro anos atrás, quando foi o lanterna. Iniciou-se então uma incrível sequência de rebaixamentos. Quando a Série C parecia ser a pior provação para um clube de grande torcida, anunciou-se a criação da Série D. Sem conseguir ficar entre os 20 primeiros da Série C em 2008, o abismo aumentou de tamanho.O Santa Cruz se viu sem nem mesmo a garantia de disputar a Série D. Depois de garantir sua vaga a duras penas no campeonato estadual, o Tricolor foi eliminado da Série D 2009 logo na primeira fase. Passou o restante do segundo semestre disputando a inexpressiva Copa Pernambuco (destinada aos clubes do estado sem atividades nacionais). Entretanto, o título da competição lhe valeu vaga na Copa do Brasil 2010, onde apesar de não ter ido além das oitavas-de-final, voltou a frequentar o noticiário esportivo nacional de maneira positiva após tantos reveses ao eliminar o Botafogo, na segunda fase, em pleno Engenhão. O 3º lugar no Pernambuco 2010 (atrás da dupla rival Sport e Náutico, ambos na Série B) mantém o clube sem títulos de expressão, mas garante sua segunda participação na Série D, de onde vai tentar, mais uma vez, trilhar seu longo caminho de volta ao convívio dos grandes.

- Central (Caruaru): A Patativa do Agreste é um tradicional complicador da vida dos grandes de Pernambuco. Frequentador assíduo das fases decisivas do Campeonato Pernambucano, foi vice-campeão em 2007. Nacionalmente, o Central conquistou a Taça de Prata (equivalente à atual Série B) em 1986, mas ficou de fora da divisão principal em 1987 quando foi disputada a Copa União (com apenas 16 clubes no módulo principal, em oposição aos 48 do ano anterior), promovida pelo recém-fundado Clube dos Treze sem base nas posições obtidas no ano anterior. O Alvinegro disputou a Série B pela última vez em 1997. Depois de diversas participações na Série C, disputa a Série D pela segunda vez (em 2009 foi eliminado na segunda fase) depois de ser o 4º colocado no Pernambucano 2010.

Bahia:

- Camaçari (Camaçari): Profissionalizado há apenas 20 anos (inicialmente como o nome de Fluminense de Camaçari), o azul e branco fez algumas boas campanhas nos últimos anos. Em 2010 disputou mais uma vez as semifinais do Campeonato Baiano, obtendo a 3ª colocação na classificação geral, atrás apenas da dupla Ba-Vi (o Bahia na Série B e o Vitória na Série A), classificando-se para sua estreia na Série D.

- Fluminense (Feira de Santana): O Touro do Sertão é reconhecido como o terceiro time mais importante da Bahia e maior torcida do interior. Duas vezes campeão baiano (1963 e 1969) o Flu não chega na final desde 2002 (quando o campeonato não contou com a participação da dupla Ba-Vi, que disputaram o Campeonato do Nordeste). A vaga na Série D 2010, segunda disputa consecutiva (em 2009 foi eliminado na segunda fase), veio através da conquista da Copa Governador do Estado 2009. No Campeonato Baiano 2010 o Fluminense foi eliminado na segunda fase, ficando em 7º lugar na classificação geral.

Goiás:

(Morrinhos estária com a vaga, mas a FGF informou que não terá representantes)
- Santa Helena (Santa Helena de Goiás): Com diversas participações na primeira divisão goiana, o Fantasma do Interior sofreu na última década da síndrome de “iô-iô” subindo e descendo. O último de seus três títulos da segundona goiana foi em 2008. Em 2010, o time do coração do governador do estado, Alcides Rodrigues, fez a melhor campanha de sua história no Campeonato Goiano. Nas semifinais, eliminou o Vila Nova, vencendo as duas partidas contra o time da capital, no Serra Dourada e em casa. Na final contra o Atlético Goianiense, o SHEC sofreu uma goleada de 4x0 na primeira partida no Serra Dourada, tendo seu primeiro vice-campeonato sacramentado após enova derrota em seus domínios. Seu primeiro vice estadual lhe valeu a estréia em competições nacionais na Série D 2010.

- C.R.A.C. (Catalão): O Clube Recreativo e Atlético Catalão é o único clube do interior a ter conquistado o Campeonato Goiano mais de uma vez (1967 e 2004). Em 2005 o Leão do Sul fez sua melhor campanha nacional com a 5ª colocação na Série C. Em 2009 o clube disputou a Série D e foi eliminado na primeira fase. Sexto colocado no Campeonato Goiano de 2010 herdou a vaga do Anapolina, 5º colocado, que desistiu.

Santa Catarina:

- Joinville (Joinville): Apesar das dificuldades dos últimos anos, o JEC é considerado pela imprensa local como um dos quatro grandes do estado (os outros sendo Avaí e Figueirense, da capital; e o Criciúma, da cidade homônima). Carregando o nome da maior cidade do estado (tanto em população como em PIB), dona de considerável parque industrial, o Tricolor conquistou por 12 vezes o Campeonato Catarinense, sendo o último no bicampeonato 2000/2001. A década seguinte foi de constante decadência, até a péssima campanha de 2007, quando só não foi rebaixado no torneio estadual pela existência, naquele ano, de um torneio entre os últimos colocados da primeira divisão e os primeiros da segunda divisão valendo uma vaga na elite de 2008, conquistada pelo Joinville. Tem vaga garantida na Série D deste ano desde a conquista da Copa Santa Catarina 2009. Em 2010 fez ótima campanha no Estadual, conquistando o Primeiro Turno e chegando às semifinais do Segundo. Na final, foi derrotado nas duas partidas contra o Avaí e ficou com o Vice-campeonato. A classificação para a Série D representa a volta ao Campeonato Brasileiro pela primeira vez em três anos, após a disputa da Série C em 2007.

- Metropolitano (Blumenau): O Metrô é um clube novo, fundado em 2002 para que a cidade não ficasse sem clubes de futebol profissional, após o fim do Blumenau Esporte Clube. Em 2006 fez sua estreia na elite estadual. Em 2008 debutou em torneios nacionais, na Série C. Em 2009, foi vice-campeão da Copa Santa Catarina. Como o campeão Joinville foi vice-campeão catarinense em 2010, o Verdão herdou a vaga e garantiu sua segunda participação na Série D.

Ceará:

- Guarany (Sobral): O Bugre Sobralense nunca conquistou títulos de primeira divisão, mas já esteve na Série B do Brasileiro, em 2002, após ter sido terceiro colocado da Série C em 2001 e do vice-campeão Malutron ter pedido licensa. Logo no ano seguinte, porém, o Cacique do Vale estava de volta à Série C. Depois de sofrer o efeito “iô-iô” no Campeonato Cearense (e conquistar mais dois dos seus quatro títulos na segunda divisão estadual, em 2005 e 2008) o Guarany fez ótima campanha no estadual de 2010, sendo vice-campeão dos dois turnos, perdendo as finais para os grandes da capital, Fortaleza (Série C) no primeiro e Ceará (Série A) no segundo. O terceiro lugar geral foi suficiente para voltar a uma competição nacional após sete anos.

Pará:

- Remo (Belém): O Clube do Remo é outro gigante que disputará a Série D este ano. Sua devastadora crise consegue ter contornos ainda piores do que a do Santa Cruz. 42 vezes campeão paraense (as últimas em 2007 e 2008), o Leão é dono da maior torcida do Norte do país (segundo pesquisa Ibope). Ausente da Série A desde 1994, os azulinos disputaram a Série B por 10 anos consecutivos. Em 2000, o Remo foi terceiro colocado do módulo amarelo (equivalente à Série B) na Copa João Havelange e, pelas regras daquele torneio, se classificou para as oitavas-de-final, junto aos clubes do módulo principal, onde foi eliminado. Apesar disso, o clube foi relacionado de volta à Série B em 2001 pela CBF. Depois de alternar campanhas boas e ruins, o Remo foi rebaixado em 2004. Em 2005, com a melhor média de público das três séries do Brasileiro, o Remo foi campeão da Série C e retornou à B. Em 2007, no entanto, houve um novo rebaixamento e se iniciou o calvário remista. Se a queda para a Série C era a pior coisa que se podia imaginar, a eliminação precoce em 2008 significou que nem isso o clube teria no ano seguinte. Com uma campanha que começou muito mal no Campeonato Paraense de 2009, os azulinos descobriram que a Série D não era a pior coisa a acontecer a um time. Era possível não se classificar para disputa-la. O estado possuía apenas uma vaga na competição. Após uma campanha de recuperação no segundo turno do estadual, o Remo conseguiu chegar à final do turno, eliminando nas semifinais o arqui-rival Paysandu. Na final, porém, o Remo foi derrotado pelo São Raimundo de Santarém, perdendo para este a vaga na Série D (o clube do interior terminaria campeão). No segundo semestre de 2009 sobrou ao Remo disputar a inexpressiva Taça Comemoração dos 40 anos da FPF, que conquistou, mas que não vale vaga para nenhuma competição. O Campeonato Paraense de 2010 permanece em disputa. No primeiro turno o Remo perdeu a final para o Paysandu, que assim se garantiu na decisão do campeonato. No segundo turno, ainda em andamento, um empate no Re-Pa válido pela semifinal garantiu o Leão (que tem melhor campanha) na final do turno contra o Águia de Marabá. Como Paysandu e Águia estão na Série C, independente da posição que conquistar na classificação geral, o Remo garantiu enfim sua estréia na Série D, primeiro passo para o caminho da redenção.

Rio Grande do Norte:

(Segundo informações desistiu e entrará o Santa Cruz - RN)
- Corinthians (Caicó): Campeão Potiguar de 2001, o Galo do Seridó faz sua estréia em competições nacionais. A vaga foi conquistada com o vice-campeonato Potiguar em 2010 após ter vencido a Copa RN, o primeiro turno, derrotando na final o América de Natal, o Corinthians acabou derrotado nas finais do campeonato pelo outro grande da capital, o ABC (Série C).

Alagoas:

- Murici (Murici): O verde e branco da cidade governada pelo filho do senador Renan Calheiros (Renanzinho) conquistou seu primeiro título ao se sagrar campeão alagoano de 2010, derrotando nas finais o ASA (que está na Série B), vencendo as duas partidas, em Murici e em Arapiraca. O título lhe valeu a vaga.

Distrito Federal:

- Ceilândia: O Ceilândia, antigo Dom Bosco, acabou de conquistar o primeiro título de primeira divisão de sua história: campeão metropolitano² de 2010, derrotando nas finais o Brasiliense. O título de Brasília valeu ao Gato Alvinegro sua estréia na Série D. Outros Brasileiros disputados pelo Ceilândia foram a Série B em 1989 e a Série C em 2004, 2005, 2006 e 2007.

Espírito Santo:

- Indefinido. O Campeonato Capixaba 2010 vale uma vaga na Série D e segue em andamento. A primeira fase se encerrou no último final de semana e os confrontos das semifinais estão definidos. Os tradicionais Vitória e Rio Branco (que defende o título), da capital, enfrentam respectivamente Jaguaré e Rio Bananal. As equipes do interior buscam seu primeiro título.

Paraíba:

- Indefinido: O Campeonato Paraibano de 2010 também segue em andamento. Faltando uma rodada para a conclusão do quadrangular final, três equipes disputam o título. No próximo final de semana, o líder Treze, com 10 pontos, garante o título se vencer o clássico de Campina Grande contra o Campinense, que com 7 pontos está em terceiro lugar e conserva poucas chances. O vice-líder Botafogo, com 8 pontos, precisa vencer o lanterna Sousa (3 pontos) jogando em João Pessoa, e ainda torcer para uma vitória do Campinense. Caso haja empate em Campina Grande, o time da capital precisa de pelo menos 5 gols de diferença sobre o time do Sertão para levar o título. O Campinense, que tem vaga na Série C e não depende do estadual para disputar o Brasileiro, pode ser campeão caso goleie o rival da cidade por pelo menos 4 gols de diferença e o Botafogo não vença o Sousa. Na hipótese de um improvável título do Campinense (Série C), a vaga na Série D fica com o vice, que seria neste caso obrigatoriamente o Treze.

Maranhão:

- J.V. Lideral (Imperatriz): Ao contrário da maioria dos estados, o Maranhão classifica para a Série D o campeão estadual do ano anterior, e não do ano corrente. O J.V. Lideral disputou a primeira divisão do estado pela primeira vez em 2009 e logo no primeiro ano conquistou o Campeonato Maranhense, derrotando nas finais o tradicional Sampaio Correa, da capital.

Amazonas:
- Manaos (Ex-América) (Manaus): Assim como o Maranhão, o Amazonas também classifica para a Série D o seu campeão do ano anterior. Em 2009 o América encerrou jejum de 15 anos e conquistou seu sexto Campeonato Amazonense, garantindo sua primeira participação no Campeonato Brasileiro desde a Taça de Bronze de 1983. Em 2010 o América não fez boa campanha no estadual. Em nenhum momento esteve entre os líderes e ficou de fora das finais, obtendo a 6ª colocação no geral. O campeão, inédito, foi o Peñarol de Itacoatiara.

Mato Grosso do Sul:

- CENE (Campo Grande): O Clube Esportivo Nova Esperança era da cidade de Jardim, mas transferiu-se para a capital do estado. Com apenas 11 anos de existência, o primeiro clube do atacante Keirrison já conquistou 3 Campeonatos Sul-Mato-Grossenses, em 2002, 2003 e 2005. Garantiu a vaga na Série D com a conquista da Copa Governador André Pucinelli 2009. No estadual de 2010, ainda em curso, ocupa a liderança do grupo B. Os quatro primeiros avançam às Quartas-de-Final.

Sergipe:

- River Plate (Carmópolis): A Sociedade Esportiva River Plate tem as mesmas cores, escudo e uniforme de seu homônimo argentino mais famoso. Em ascensão meteórica, foi campeão da série A2 sergipana em 2009 e já no ano de estrEia da elite conquistou o Campeonato Sergipano 2010. O clube conta com o patrocínio da banda de forró Calcinha Preta.

Piauí:

- Flamengo (Teresina): Dezenove vezes campeão piauiense, o Esporte Clube Flamengo está em boa fase depois de ter sido, pela primeira vez em sua história, rebaixado no campeonato estadual em 2007. Através de uma manobra, disputou a segunda divisão no mesmo ano, mas não conseguiu subir. Em 2008, conquistou a segundona estadual e a Copa Piauí, classificando-se para voltar à elite do estado e para a Série D 2009 (onde foi eliminado na primeira fase). No ano seguinte, conquistou o 19º título piauiense e o bicampeonato da Copa Piauí, garantindo a segunda participação consecutiva na Série D. No Piauiense 2010 o Flamengo foi o penúltimo colocado do primeiro turno, vencido pelo Comercial de Campo Maior. No segundo turno o rubro-negro se recuperou e lidera a competição, que está na metade. O vencedor do segundo turno enfrentará o Comercial nas finais.

Mato Grosso:

- Vila Aurora (Rondonópolis): Campeão Mato-Grossense de 2005, o Vila Aurora garantiu vaga para a Série D pela conquista em 2009 da agora extinta Copa Governador do Mato Grosso. No Campeonato Mato-Grossense 2010 o Tigrão foi eliminado nas semifinais no clássico da cidade contra o União Rondonópolis (clássico Uni-Grão), que acabou sendo o campeão. A partir de 2011 o campeonato estadual valerá classificação para a Série D, além da vaga na Copa do Brasil.

Acre:

- Indefinido: O Campeonato Acreano de 2010 está na fase semifinal. O Rio Branco (que tem vaga na Série C) enfrenta o Plácido de Castro e o Nauás terá por adversário o Atlético Acreano.

Rondônia:

- Indefinido: O Campeonato Rondoniense 2010 permanece em disputa. Como no vizinho Acre, o campeonato está em sua fase semifinal. Os confrontos valendo vaga na final serão entre Espigão, de Espigão do Oeste, e VEC, de Vilhena; e entre o Ariquemes e o Rolim de Moura, das cidades de mesmo nome.

Tocantins:

- Araguaína (Araguaína): O Araguaína de Futebol e Regatas, fundado em 1997, é o sucessor do Araguaína Futebol Clube, extinto em 1996. Tem feito excelentes campanhas no Campeonato Tocantinense. Campeão em 2006 e 2009, disputou seis finais nas sete edições do campeonato entre 2004 e 2010. Neste último final de semana foi realizada a partida de ida das finais do Tocantinense 2010. Em Araguaína, o time da casa venceu o Gurupi por 1x0 e só precisa de um empate para sagrar-se bicampeão em Gurupi.

Amapá:

- Santana (Santana): Sete vezes campeão amapaense (a última vez em 1985), o Santana encerrou as atividades do futebol profissional no final dos anos 1980. Voltou a disputar o Campeonato Amapaense em 2009, e logo no primeiro ano foi vice-campeão, perdendo as finais para o São José. Como o clube da capital desistiu de disputar a Série D em 2010, o Canarinho Milionário herdou a vaga. O Campeonato Amapaense 2010 será disputado no segundo semestre.

Roraima:

- Baré (Boa Vista): Em 2010 o Baré venceu os dois turnos do Campeonato Roraimense conquistando assim seu nono título e a vaga para a Série D.

¹ Consideram-se nesta categoria os 26 estados e o Distrito Federal.
² Nome oficial do Campeonato Brasiliense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário