Acesse e Curta a Fan Page

CURTA A FAN PAGE O PANTERA TRICOLOR NO FACEBOOK

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Dez Anos do Vice-Paulista de 2001 - Especial EPTV

Palmeiras abre três, cede empate e perde nos pênaltis para o Botafogo

21/01/2001 (3) Botafogo 3x3 Palmeiras (1)



Baixe o Adobe Flash Player


O Palmeiras estreou com derrota na Série A-1 do Campeonato Paulista diante do Botafogo, neste domingo, em Ribeirão Preto.
Após estar vencendo por 3 a 0 até os 35min do segundo tempo, o Palmeiras permitiu a reação do adversário, que em pouco mais de dez minutos de jogo empatou a partida, vencendo nas cobranças de pênaltis.
O destaque da partida foi o atacante Gauchinho, do Botafogo, que entrou no segundo tempo e comandou a reação do time de Ribeirão, marcando dois gols.
Sem contar com cinco jogadores -Marcos, Argel, Juliano e Tuta, contundidos, e Euller, que não se apresentou-, o Palmeiras mostrou mais domínio da partida, principalmente até a metade do segundo tempo -período em que o time fez seus três gols e manteve o placar favorável.
Por outro lado, o time teve o reforço do meia Claudecir, vice-campeão da Copa João Havelange pelo São Caetano, que estreou anotando o primeiro gol palmeirense.
Apesar do domínio do Palmeiras, o primeiro tempo do jogo foi marcado por poucos lances de perigo.
O Palmeiras levava perigo ao gol de Maurício somente nos contra-ataques, enquanto o Botafogo só tentava chegar ao gol de Sérgio por meio de jogadas individuais, de Leandro e Ratinho.
O time de Marco Aurélio iniciou a partida exercendo forte marcação, o que dificultou ao Botafogo criar jogadas de ataque.
A primeira chance foi de Reinaldo, do Palmeiras, aos 9min. Ele invadiu a área e chutou forte para a defesa parcial de Maurício. A defesa isolou a bola.
Logo em seguida, o atacante botafoguense Birinha cobrou falta pelo lado direito do campo e, no rebote, Luciano Ratinho chutou rente à trave.
A partir disso, o Botafogo equilibrou a partida, até então dominado pelo Palmeiras, mas errando muitos passes.
O Botafogo explorou o tempo todo as jogadas pelas laterais do campo. Aos 20min, o lateral Jadílson, em jogada individual, chutou contra o gol de Sérgio, sem perigo.
A melhor chance de gol do Botafogo foi aos 28min, com Luciano Ratinho, que driblou zagueiros do Palmeiras dentro da área e chutou forte para a defesa do goleiro Sérgio, que espalmou a bola com as pontas dos dedos.
Novamente Reinaldo, aos 37min, invadiu a área do Botafogo e, sozinho, chutou por cima do travessão.
A melhor jogada do Palmeiras na primeira etapa aconteceu aos 46min, em um contra-ataque. O meia Flávio entrou sozinho na grande área, mas chutou para fora.
No segundo tempo, as duas equipes voltaram sem nenhuma alteração, mas com o Palmeiras exercendo forte pressão no ataque, ao contrário do primeiro tempo, em que a marcação foi o ponto forte do time.
A pressão deu resultado imediato. Logo no primeiro minuto de jogo, o volante Claudecir, aproveitando uma cobrança de falta de Galeano, abriu o placar para o Palmeiras, com um gol de cabeça.
Cinco minutos depois, após Alex -que reestreava no Paulista pelo Palmeiras- cobrar escanteio pela direita, Galeano, aproveitando a falha da defesa do Botafogo, marcou o segundo gol para o time da capital.
Aproveitando o abatimento do time adversário, o atacante Alex, em jogada individual, invadiu a área e marcou o terceiro gol para o Palmeiras. Após sofrer os gols, o Botafogo perdeu a calma, o que obrigou o técnico Lori Sandri a fazer alterações no meio-de-campo e no ataque.
A partir dos 27min, quando iniciou uma forte chuva no estádio Santa Cruz, a equipe de Ribeirão Preto passou a intensificar suas jogadas de ataque.
O primeiro gol botafoguense saiu ao 35min, com o atacante Gauchinho -que foi contratado pelo clube na semana passada-, que chutou forte, sem defesa para Sérgio.
Aos 41min, o lateral Jadílson, aproveitando uma jogada de contra-ataque, chutou forte e ampliou o placar para o time da casa, o que fez o Palmeiras recuar ainda mais.
No último minuto de jogo, o atacante Gauchinho marcou o gol de empate da partida, o que provocou a decisão do jogo em cobranças de pênaltis. No desempate, o Botafogo confirmou a sua reação e venceu por 3 a 1.
Nos pênaltis, o destaque foi o goleiro Maurício, que defendeu a cobrança de Alex, do Palmeiras.

BOTAFOGO
Maurício; Rogério, Bell, Ânderson; Jadílson, Gustavo (César), Douglas e Chicão (Róbson Neves); Luciano Ratinho, Leandro e Birinha (Gauchinho)
Técnico: Lori Sandri

PALMEIRAS
Sérgio; Daniel, Gilmar, Galeano e Taddei; Fernando, Claudecir, Magrão (Paulo Turra) e Flávio; Alex e Reinaldo (Adriano)
Técnico: Marco Aurélio

Local:Estádio Santa Cruz, em Ribeirão
Juízes: Edílson Pereira de Carvalho e Wílson Seneme
Renda e público: não divulgados
C. amarelos: Chicão e Ânderson (B) e Gilmar e Magrão (P)
Gols: Claudecir, ao 1min do segundo tempo, Galeano, aos 6min, Alex, aos 10min, Gauchinho, aos 35min e aos 46min e Jadílson, aos 41min. Nos pênaltis, Botafogo 3 (Bell, Jadílson e César) a 1 (Flávio)

São Caetano empata com o Botafogo no retorno ao Anacleto Campanella

28/01/2001 (4) São Caetano 2 x 2 Botafogo (3)



Baixe o Adobe Flash Player


O Botafogo sofreu o "efeito Palmeiras" neste domingo à tarde diante do São Caetano, na região do ABCD Paulista. Após começar vencendo e terminar o tempo regulamentar empatado, em 2 a 2, o time de Ribeirão Preto foi derrotado na disputa dos pênaltis por 4 a 3.
A partida marcou a volta do São Caetano ao seu estádio, após disputar as partidas decisivas da Copa João Havelange no Parque Antarctica.
Na semana passada, durante a estréia no Campeonato Paulista, o Botafogo estava perdendo, por 3 a 0, para o Palmeiras, mas conseguiu empatar e acabou vencendo na disputa dos pênaltis.
No jogo deste domingo, o time, que está sendo comandado pelo técnico Lori Sandri há 15 dias, teve que superar a falta de padrão de jogo.
Mesmo assim e com a defesa improvisada -o volante Robson Nese substituiu o lateral-esquerdo Jadilson, que estava contundido-, o Botafogo conseguiu impor seu ritmo de jogo.
O time de Ribeirão Preto abriu o placar aos 17min da etapa inicial durante uma jogada de contra-ataque, após o atacante Neto disputar uma bola na área e o zagueiro Serginho, do São Caetano, desviar fazendo gol contra.
O gol de empate do time do ABCD aconteceu aos 40s do segundo tempo, quando o lateral César aproveitou a falha da defesa, invadiu a área e chutou cruzado.
Dez minutos depois, o atacante Leandro, do Botafogo, recebeu um passe de Luciano Ratinho, driblou a defesa adversário e chutou na saída do goleiro, marcando o segundo gol da equipe. O São Caetano ainda empatou com Sinval aos 23min do segundo tempo.
Na decisão dos pênaltis, deu Azulão por 4 a 3. O São Caetano, com cinco pontos, está em quarto no lugar no Paulistão, ao lado de Rio Branco e União Barbarense.

SÃO CAETANO
Luciano; Nelsinho, Daniel, Serginho e César; Simão, Esquerdinha (Gilmar), Aílton e Adãozinho; Wágner (Romualdo) e Magrão (Sinval)
Técnico: Jair Picerni

BOTAFOGO
Maurício; Anderson Silva, Bell e Rogério; Gustavinho, Douglas, Chicão, Neto (Gauchinho) e Robson Nese (Cesar); Luciano Ratinho e Leandro (Birinha)
Técnico: Lori Sandri

Local: estádio Anacleto Campanella;
Juízes: Antônio Cláudio Perin e Sílvia Regina de Oliveira;
Público e Renda: não divulgados;
Cartões amarelos: César (SC); Leandro, Bell e Luciano Ratinho (B);
Gols: Neto, aos 21min do 1º tempo; César, a 1min, Leandro, aos 9min, e Sinval, aos 23 do 2º tempo

Botafogo ganha sua primeira partida no Campeonato Paulista

04/02/2001 Botafogo 2x1 União São João




Baixe o Adobe Flash Player


O Botafogo conseguiu neste domingo a sua primeira vitória no Paulista da Série A-1 deste ano ao derrotar de virada o União São João, no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto.
Com a vitória, obtida após a expulsão de um jogador adversário, o time ganha maior tranqüilidade para seguir na competição.
No início do jogo, o Botafogo não se encontrava em campo. Os armadores jogavam sem criatividade, enquanto os laterais, quando eram acionados, não conseguiam levar a bola até a linha de fundo para cruzar.
O União, na única oportunidade que teve no início (aos 10min), aproveitou e abriu o placar. João Paulo cruzou da direita para a cabeçada de Junior Amorim. O goleiro Maurício defendeu, mas, no rebote, o zagueiro Anderson Silva, que tentou interceptar, acabou marcando contra.
Após o gol e até a metade do primeiro tempo, a única boa jogada do Botafogo foi um cruzamento do lateral Cris, que Bell cabeceou nas mãos de Pedro Paulo.
O ataque do time não conseguia trocar passes e os jogadores de frente perdiam as bolas antes mesmo de chegar à grande área.
O técnico Lori Sandri não foi feliz ao escalar o time. Toinzé, por exemplo, não armava nenhuma jogada criativa, ao mesmo tempo que o atacante Neto nada fazia, deixando Leandro sozinho contra os zagueiros. O União só voltou a oferecer perigo aos 41min, em bola chutada por João Paulo, que acertou a trave.
O time de Ribeirão foi para os vestiários sendo vaiado pelos torcedores, mas voltou melhor no segundo tempo, com Gauchinho no lugar de Toinzé. Logo aos 2min, o atacante mostrou querer firmar-se na equipe ao acertar uma cabeçada na trave.
O time cresceu, nem parecendo a apática equipe da primeira etapa. Os meias passaram a distribuir bolas e o lateral Cris, que até então errava muito, passou a fazer bons cruzamentos.
Aos 28min, Leandro cruzou da direita para a cabeçada de Neto, no canto direito do gol. A vitória chegou aos 43min, com Rogério, após cruzamento da direita de Renatinho.

BOTAFOGO
Maurício; Bell, Anderson Silva (Júnior) e Rogério; Cris, Jadílson, Douglas, Robson Nese e Toinzé (Gauchinho); Neto e Leandro
Técnico: Lori Sandri

UNIÃO SÃO JOÃO
Pedro Paulo; Flávio, Bernardi, Andrei e Domires Júnior; Fabrício Souza, Pacheco (Aílton), Robertinho e João Santos; Júnior Amorim (Itamar) e João Paulo (Tarcísio)
Técnico: Cláudio Garcia

Juízes: Alfredo dos Santos Loebeling e Paulo Roberto Ferreira
Cartões amarelos: Pedro Paulo e Fabrício (U); Robson Nese e Douglas (B)
Cartão vermelho: João Santos (U)
Gols: Anderson Silva (contra), aos 10min do 1º tempo; Neto, aos 28min, e Rogério, aos 43min, do 2º tempo

Portuguesa Santista ganha segunda consecutiva no Paulista

11/02/2001 Portuguesa Santista 2x1 Botafogo



Baixe o Adobe Flash Player


Mesmo com uma queda de produção no segundo tempo, a Portuguesa Santista obteve a segunda vitória consecutiva em casa, ao bater o Botafogo por 2 a 1, hoje, no estádio Ulrico Mursa, em Santos. Na rodada anterior, o time havia superado o Corinthians pelo mesmo placar.
Neste domingo, o time dominou totalmente a partida no primeiro tempo, teve chances para construir um placar mais dilatado, mas ficou nos 2 a 0.
O primeiro gol saiu aos 30min, em lance do lateral direito Valdir. Ele cruzou para a área, e o atacante Jean mergulhou de cabeça para marcar. Aos 48min, Genilson fez o segundo também a partir de um cruzamento. Ele complementou para o gol depois de receber de Jean, da direita.
No segundo tempo, a Portuguesa desperdiçou três chances de gol até os 7min. Depois disso, reduziu o ritmo e deu espaços ao Botafogo, que marcou aos 22min. Livre na área, Gauchinho recebeu um cruzamento e fez o gol sem dificuldades.
O Botafogo quase empatou aos 36min, em dois lances consecutivos, de Luciano e Gauchinho. Aos 47min, o árbitro assinalou impedimento e anulou o gol de Rogério, da Portuguesa.

PORTUGUESA SANTISTA
Robson; Valdir (Ceará), Márcio Goiano, Roberto Ramos e Hamilton; Capitão, Marcos Bazílio, Jean Carlo e Zinho; Jean (Rogério) e Genílson (Calil)
Técnico: Muricy Ramalho

BOTAFOGO
Maurício; Rogério, Bel e Anderson (Luciano); Renatinho (Cris), Douglas, Robson Nese, Neto (Dinei) e Jadilson; Leandro e Gauchinho
Técnico: Lori Sandri

Local: estádio Ulrico Mursa, em Santos
Juízes: Luís Marcelo Vincentin Cansian e Eduardo César Coronado Coelho
Renda e público: não divulgados
Cartões amarelos: Cris e Dinei (B)
Gols: Jean (P), aos 30min, e Genílson (P), aos 48min do primeiro tempo; Gauchinho (B), aos 22min do segundo tempo

Botafogo derrota a Ponte Preta nos pênaltis no Campeonato Paulista

18/02/2001 Botafogo (3) 1x1 (2) Ponte Preta



Baixe o Adobe Flash Player


O Botafogo venceu a Ponte Preta neste domingo nos pênaltis, por 3 a 2, após empate por 1 a 1 no tempo normal, em partida válida pela Série A-1 do Campeonato Paulista.
O time de Ribeirão Preto, que defendia uma invencibilidade de dez meses em seu estádio, saiu em desvantagem no marcador, mas melhorou na segunda etapa, empatou e até poderia ter vencido no tempo normal.
O Botafogo entrou em campo sem três titulares. Começou pressionando, no entanto, e logo aos 2min chegou à área adversária. Na jogada seguinte, a Ponte Preta, que estava desfalcada de quatro atletas, levou perigo em um chute de Elivélton. Piá e Marco Aurélio lideravam as ações ofensivas do time de Campinas.
As melhores oportunidades do Botafogo foram criadas pelo atacante Luciano Ratinho e pelo lateral-esquerdo Jadílson. O meio-campo, porém, encontrava dificuldades em articular jogadas.
Aos 22min, o atacante Washington da Ponte chutou uma bola na trave. As dificuldades dos botafoguenses aumentaram depois que o goleiro Maurício saiu contundido, aos 24min.
Em seu lugar entrou Doni, revelado pelas categorias de base. No final do primeiro tempo, o zagueiro Alex, da Ponte, sentiu uma contusão no tornozelo esquerdo e foi substituído por Rodrigo.
O gol da Ponte foi marcado aos 45min da primeira etapa, com Macedo. Após receber a bola de frente com o goleiro, ele só teve o trabalho de tocar para o gol.
Já nos acréscimos, Robert teve a melhor chance da equipe de Ribeirão, mas o atacante chutou por cima do gol de Alexandre.
Em desvantagem no placar, o técnico Lori Sandri, do Botafogo, fez uma alteração no intervalo e aboliu o sistema de jogo com três zagueiros. O defensor Anderson Silva saiu e deu lugar a Birinha.
A equipe de Ribeirão começou melhor o segundo tempo e Robert, de cabeça, acertou uma bola na trave, logo aos 5min. O grande destaque do Botafogo no tempo final foi o goleiro Doni, que fez duas excelentes defesas quando o seu time ainda perdia.
Após uma confusão na área, o atacante Robert fez, aos 30min, o gol de empate do Botafogo. Birinha cruzou, Rogério tocou de cabeça e a bola bateu na trave. No rebote, Leandro chutou e, em novo rebote do goleiro Alexandre, Robert tocou para as redes.
Na cobrança de penalidades o Botafogo conseguiu o ponto extra. O zagueiro Rodrigo, da Ponte, chutou para fora e o volante Chicão marcou o gol decisivo.

BOTAFOGO
Maurício (Doni), Augusto, Anderson Silva (Birinha) e Rogério; Renatinho, Chicão, Robson Nese (Toinzé) e Jadilson; Luciano Ratinho, Leandro e Robert
Técnico: Lori Sandri

PONTE PRETA
Alexandre, Carlos Alexandre, André Santos, Alex Oliveira(Rodrigo) e Elivélton; Roberto, Mineiro, Marco Aurélio (Negretti) e Piá; Macedo (Alessandro) e Washington
Técnico: Nelsinho Baptista

Local: estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto
Juízes: Sávio Spindola Fagundes Filho e Otávio Corrêa da Silva
Cartões amarelos: Alexandre, Roberto e Mineiro (P); Chicão (B) e Robson Nese (B)
Gols: Macedo (P), aos 44min do primeiro tempo; Robert (B), aos 30min do segundo tempo

Botafogo vence nos pênaltis o Rio Branco

24/02/2001 Botafogo (2) 2 x 2 (0) Rio Branco

Baixe o Adobe Flash Player

O Botafogo venceu o Rio Branco por 2 a 0 na cobrança dos pênaltis, após empatar em 2 a 2 no tempo regulamentar, hoje à tarde, em Ribeirão Preto.
Mesmo passando a maior parte do primeiro tempo com um jogador a menos, o time de Ribeirão conseguiu suportar a pressão do time adversário que criou várias jogadas de ataque.
O atacante Robert, que estreou hoje no Botafogo, marcou o primeiro gol aos 25min do primeiro tempo.
O gol de empate do Rio Branco aconteceu 13 minutos depois, com o atacante Anaílson em uma jogada de contra-ataque.
Aproveitando a expulsão do atacante Luciano Ratinho, do Botafogo, no início do segundo tempo, o Rio Branco intensificou as jogadas de ataque.
Os dois gols do segundo tempo aconteceram por meio de cobranças de pênalti. Aos 17min, Rafael ampliou para o Rio Branco e, aos 19min, Robert marcou para o Botafogo.

BOTAFOGO
Maurício; Gustavo, Rogério, Bell e Renatinho (César); Edgar, Douglas, Birinha (Cris) e Luciano Ratinho; Leandro (Toinzé) e Robert
Técnico: Lori Sandri

RIO BRANCO
Gustavo; Alexandre Chagas, Maxsandro, Gilmar Lima e Tércio; Vaguinho, Rafael, Silas e Jeferson; Marcus Vinicius e Anailson (Alex)
Técnico: Zé Teodoro

Local: estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto
Público: 4.371 pagantes
Juízes: Silvio César Talarico e Robério Pereira Pires
Cartões amarelos: Vaguinho (R), Técio (R), Anaílson (R), Silas (R)
Cartões vermelhos: Luciano Ratinho (B)
Gols: Robert (B), aos 25min do primeiro tempo e aos 19min do segundo tempo; Anailson (R), aos 38min, do primeiro tempo; Rafael (R), aos 17min do segundo

Matérias da imprensa dos demais jogos no Canal Tricolor RP meu antigo site.

Nenhum comentário:

Postar um comentário